Blog

Acessórios

Smartphones ainda mais inteligentes: conheça a tecnologia do chip 5 nm

Por Atendimento

|

dia 16/11/2020

Compartilhar:

Embora o lançamento do iPhone 12 e suas variações (iPhone 12 Mini, iPhone 12 Pro e iPhone 12 Pro Max) tenha sido recebido de maneira tímida pelo mercado em razão da ausência de novidades significativas, em termos tecnológicos há uma característica capaz de promover um salto de qualidade na indústria.

Estamos falando do processador A14 Bionic, o primeiro no mundo a contar com um chip de 5 nanômetros (5 nm). Mais do que serem “mais rápidos e mais eficientes”, como a empresa comunica em suas propagandas, eles de fato podem trazer uma série de benefícios para o consumidor, permitindo realizar mais tarefas consumindo menos energia.

Chips de 5 nanômetros: o que isso significa?

Imagine um metro dividido em um bilhão de partes: o resultado disso é um nanômetro, medida que corresponde aproximadamente ao tamanho que um cabelo humano cresce por segundo. Estamos falando de algo completamente imperceptível a olho nu, mas fundamental para o desenvolvimento da indústria de tecnologia.

Atualmente, grande parte dos processadores utilizados nos celulares têm tecnologia de 7 nanômetros. Reduzir em 2 nanômetros representa algo tão significativo assim? Sim! Em cada milímetro quadrado de um chip existem cerca de 171 milhões de transistores. Quando você diminui o tamanho deles, aumenta a quantidade possível no mesmo espaço. 

Em outras palavras, a indústria poderia optar por dois caminhos: reduzir ainda mais o tamanho já pequeno de um processador, ou mantê-lo igual e aumentar a sua capacidade. A tendência é que o segundo caminho seja o escolhido. Portanto, teremos processadores capazes de realizar mais tarefas consumindo menos energia, o que os torna ainda mais eficientes.

Por dentro do chip de 5 nanômetros

O chip de 5 nanômetros presente na nova geração de iPhone foi desenvolvido pela empresa holandesa ASML. Segundo a Apple, ele é um dos responsáveis por permitir que um smartphone possa editar vídeos em 4K sem sobrecarga de energia.

Embora seja pouco conhecida do grande público, a ASML é uma empresa com quase quatro décadas de mercado. Ela nasceu em 1984, fruto da união das empresas Philips e ASMI (Advanced Semiconductor Materials International). Na época, a proposta da companhia era desenvolver sistemas de litografia para o mercado de semicondutores.

Para produzir o A14 Bionic que equipa os modelos de iPhone 12 a ASML criou uma máquina chamada NXE3400. Ela utiliza luz ultravioleta extrema (EUV), um tipo de luz artificial tão frágil que é absorvido pelo ar imediatamente após a sua criação. Porém, a máquina conta com um espaço de vácuo, permitindo que ela “exista” por mais tempo.

O processo consiste na incidência de uma luz laser sobre uma gota de zinco, que evapora. Durante essa atividade, a luz é liberada em diferentes comprimentos de onda e, graças a espelhos, é refletida e realiza a gravação do molde para a produção do chip.

O resultado disso é um processador com mais de cem camadas extremamente finas, que juntas totalizam mais de 8 bilhões de transistores. O alto grau de sofisticação dos chips requer que a quantidade de corrente elétrica que passa por ele para ativação seja menor. Em outras palavras, o resultado é um produto mais econômico (portanto, sustentável) e eficiente.

Em breve em um smartphone perto de você

Como tudo que acontece na indústria, ainda que a Apple seja a pioneira em colocar um chip de 5 nanômetros dentro de um celular, ela provavelmente não será a única por muito tempo. Empresas como a sul-coreana Samsung e a chinesa Huawei já estão em fase avançada de testes com suas versões em 5 nanômetros e eles podem aparecer já nas próximas gerações de smartphone da companhia.

A entrada de mais empresas neste mercado deve ajudar a baratear os custos desse componente em médio e longo prazo. Porém, para quem pensa que a evolução para por aí, é melhor rever seus conceitos: a indústria já se prepara para testar os primeiros chips de 3 nanômetros, ainda sem previsão de chegar ao mercado. 

Será que estamos próximos de encontrar o limite?

***
Compartilhar: