Blog

Curiosidades

Como saber se o seu celular Android é 32 ou 64 bits?

Por Atendimento

|

dia 22/05/2020

Compartilhar:

Se você já instalou o sistema operacional Windows no seu computador ou mesmo tentou baixar algum software para o seu PC, certamente já se deparou com as opções 32 bits e 64 bits. Porém, você já parou para pensar que os smartphones também podem ter as mesmas características?

Embora essa não seja uma especificação técnica amplamente divulgada pelos fabricantes, conhecer qual arquitetura é utilizada em um modelo de celular é um bom indicativo sobre as características que ele possui. Você pode escolher um aparelho com uma melhor relação custo-benefício se souber entre quais modelos pesquisar, por exemplo.

32 bits e 64 bits: o que é isso?

Em linhas gerais, o que você precisa saber é o seguinte: quanto mais bits um aparelho tem, mais informações ele é capaz de processar simultaneamente. Assim, podemos subentender que os aparelhos construídos com uma arquitetura de 64 bits são capazes de fazer mais operações ao mesmo tempo do que aqueles com arquitetura de 32 bits.

Em termos numéricos, um processador 32 bits consegue visualizar ou enviar uma quantidade equivalente a 4.294.967.296 posições de memória. Isso corresponde ao gerenciamento de 4 GB de memória RAM. Em outras palavras, mesmo que o aparelho tenha 6 GB de RAM, o processador só terá capacidade de ler uma parte disso.

Já os processadores com arquitetura de 64 bits conseguem ir muito além disso. Para se ter uma ideia, a quantidade de posições de memória suportada é suficiente para a leitura e a visualização de até 128 GB de RAM, o que indica a possibilidade de lidar com muito mais informações ao mesmo tempo.

Então 64 bits é melhor do que 32 bits sempre?

Em teoria, sim, na prática, nem sempre. Sim, um processador com arquitetura 64 bits é capaz de fazer mais operações simultaneamente e de trabalhar com até 128 GB de RAM, enquanto um modelo de 32 bits não pode ultrapassar dos 4 GB de RAM. Na prática esse é um ótimo benefício, desde que ele seja utilizado.

Por exemplo, grande parte dos celulares disponíveis no mercado têm capacidades de 2 GB e 4 GB de RAM. Isso significa que um processador 32 bits é mais do que suficiente para suprir toda a demanda de informações que o smartphone é capaz de processar. Por outro lado, nos modelos com mais de 4 GB de RAM, a arquitetura 64 bits se faz necessária, caso contrário ela funcionará apenas de forma parcial.

Portanto, ainda que um smartphone 64 bits tenha maior capacidade de suporte do que um modelo 32 bits, esse diferencial só fará algum sentido se na prática o aparelho tiver mais do que 4 GB de RAM e utilizar essa toda essa capacidade. A maioria dos smartphones top de linha do mercado hoje chega às lojas em versões superiores a 4 GB de RAM – e nesse caso é fundamental verificar se o modelo é mesmo 64 bits.

Em contrapartida, se o que você busca é uma melhor relação custo-benefício, em qualquer aparelho com menos de 4 GB de RAM uma arquitetura 64 bits é um ponto negativo, pois encarece o produto final sem dar ao consumidor uma recompensa que justifique o maior investimento.

Em resumo: a melhor opção é aquela que atende às suas necessidades. Se você busca um aparelho com mais RAM, opte por versões 64 bits sempre. Caso contrário, versões 32 bits são mais do que suficientes para executar bem todas as tarefas compatíveis.

***
Compartilhar: