Home / Blog / Tecnologia / Taxa de atualização de 120 Hz: qual a vantagem dela em smartphones e tablets?

Taxa de atualização de 120 Hz: qual a vantagem dela em smartphones e tablets?

Desde o final de 2017, uma novidade começou a dar as caras em smartphones e tablets. Falamos das telas com taxas de atualização de 120 Hz. Mas afinal, qual é a vantagem de ter 120 Hz de frequência na tela do celular? Em uma tela de menor tamanho essa evolução tecnológica é mesmo perceptível?

Para compreender como isso funciona é preciso entender primeiro o que é essa tecnologia e em quais smartphones e tablets ela pode ser encontrada. Nesse artigo, vamos trazer todos os detalhes sobre as telas de 120 Hz nos dispositivos portáteis e responder à pergunta: vale a pena pagar um pouco mais para ter uma tela como essa?

Taxa de atualização de 120 Hz: o que é isso?

O smartphone Razer Phone e o tablet iPad Pro podem ser indicados como os primeiros dispositivos a inaugurar a tendência das telas de 120 Hz em aparelhos portáteis. Para se ter uma ideia, modelos convencionais de celular, sejam eles top de linha ou mesmo os mais básicos, têm taxa de atualização de 60 Hz.

Todo dispositivo com tela tem uma taxa de atualização. A imagem dos notebooks, das TVs ou mesmo dos celulares é formada por pixels e cada um deles é atualizado dezenas de vezes por segundo. Ou seja, quanto maior a taxa de atualização, em teoria, maior será a impressão de que a imagem transmitida é estável.

Nossos olhos não conseguem perceber a tela piscando inúmeras vezes durante um segundo, mas algumas câmeras fotográficas e filmadoras, sim. Em outras palavras, nos dispositivos cuja taxa de atualização é de 60 Hz, a imagem pisca 60 vezes durante um segundo. Já naqueles com taxa de 120 Hz, a imagem pisca 120 vezes por segundo, o dobro.

Tamanho da tela importa?

Além da velocidade com a qual a tela é renovada, o tamanho da tela é outro fator importante. Em uma tela maior temos a tendência de perceber mais essa característica do que em uma tela menor. É por isso que as taxas de atualização de 120 Hz (ou até mais) estão presentes já há um bom tempo nas TVs e nos monitores gamer.

Mas será que em um celular isso será útil? A resposta para essa pergunta é “sim”, mas apenas para algumas aplicações. No dia a dia, ao usar os aplicativos tradicionais de mensagens de texto e redes sociais, ou mesmo para assistir a séries e filmes a diferença é pequena, para não dizer que é praticamente imperceptível.

Contudo, para quem é fã de jogos, especialmente aqueles com alto poder gráfico, essa é uma boa notícia. Taxas de atualizações maiores permitem que os jogos atinjam taxas de quadros por segundo (FPS) maiores, desde que o processador, a RAM e os demais componentes acompanhem essa capacidade de processamento. É o caso de ambos os aparelhos que citamos aqui.

Nesse caso, os jogos em telas com taxas de atualização maiores terão menos “rastros”, ou seja, aquela sensação de travamento e dessincronia que alguns aparelhos podem apresentar em razão de limitações técnicas. Assim, podemos dizer que para jogos de alto desempenho, em aparelhos com hardware preparado para extrair o máximo dos games, as telas com taxa de atualização de 120 Hz são capazes sim de fazer a diferença.

No caso do iPad Pro, que embora possa ser utilizado para jogos não é prioritariamente um dispositivo gamer, a razão da inclusão dessa tecnologia no aparelho foi outra: dar mais precisão aos desenhos feitos com a Apple Pencil – um diferencial e tanto para os desenhistas profissionais. Além disso, recursos como zoom e rolagens de tela também se apresentam mais fluidos com uma taxa de atualização mais alta.

Por fim, precisamos mencionar ainda que mesmo nos games a quantidade de conteúdo compatível com telas de 120 Hz ainda é bastante limitada. Portanto, respondendo à pergunta se vale a pena pagar mais por aparelhos com essa tecnologia, chegamos à seguinte conclusão: hoje, esse recurso ainda pode ser considerado um luxo, sendo útil de verdade em ocasiões muito específicas. Contudo, essa deve ser uma tendência da indústria para os próximos anos.

Em outras palavras, a menos que você vá tirar proveito desses benefícios de imediato, pagar a mais por um aparelho com essas características nesse momento ainda não é algo que valha a pena.